Clique na imagem e imprima o panfleto

exerciciosaude

Contactos

Coordenador de curso:
Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

 

Candidatos Admitidos

Listagem dos Candidatos Admitidos ao Mestrado em Exercício e Saúde para o curso de 2015/2017:
Listagem

 

Contactar os Serviços Académicos

Mestrado em Exercício e Saúde

Duração oficial

Anos: 2      Semestres: 4      Créditos ECTS: 120

Objetivos

O plano de estudos contém unidades curriculares de frequência obrigatória e optativa de âmbito biológico e comportamental e ainda unidades curriculares que analisam de forma aprofundada a contextualização específica das competências e dos saberes. São ainda consideradas unidades curriculares mais vocacionadas para a preparação analítica e científica. Este conjunto de unidades curriculares confere uma formação avançada para a análise critica da natureza descritiva e mecanicista das relações plausíveis do exercício com a saúde e também com a formação avançada para a influência dos comportamentos associados ao exercício e à nutrição. É atribuída uma especial ênfase aos processos de diagnóstico e prescriçao em contextos. É ainda facultado um ensino de natureza prática, experiencial e laboratorial. Tal como já reconhecido na mais recente avaliação da A3ES (Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior) ao Mestrado de Exercício e Saúde o plano de estudos é compatível com a formação do Fisiologista do Exercício. Trata-se de uma formação conducente a um grau académico distinto com o objetivo aprofundar competências e saberes de diagnóstico e prescrição em condições subclínicas e clínicas de natureza multidisciplinar.

  • Adquirir conhecimento e competência na avaliação, no aconselhamento e na prescrição do exercício;
  • Desenvolver a integração do conhecimento nos domínios da fisiologia, da nutrição, da modificação comportamental e da composição corporal para intervenção profissional subclínica e clínica de âmbito multidisciplinar.
Coordenação

Coordenador
Professor Doutor Luís Fernando Cordeiro Bettencourt Sardinha

Coordenador Adjunto
Prof.ª Doutora Maria Helena Santa Clara Pombo Rodrigues

Estrutura Curricular

O curso encontra-se organizado em dois ramos:

  • Ramo de Aprofundamento de Competências Profissionais
  • Ramo de Investigação

A área científica predominante do curso é Exercício e Saúde, sendo o curso organizado nas seguintes áreas disciplinares:

  • Biologia da Atividade Física (BAF) - 90 ECTS
  • Matemática Aplicada e Estatística (MAE) - 6 ECTS
  • Outra (*) - 24 ECTS optativos

(*) As optativas são escolhidas de entre uma lista de Unidades Curriculares lecionadas nos cursos de 2.º ciclo da Faculdade de Motricidade Humana.  A lista de optativas é definida anualmente pelo Conselho Científico da FMH, sob proposta da Coordenação do Mestrado e divulgadas no início do ano letivo.

Plano de Estudos

Consulte AQUI.

  • Conteúdos programáticos | vista geral

1.º Semestre

Fisiologia Clínica do Exercício, José Gomes Pereira

Fisiologia do Exercício - Conceito. Perspetiva histórica. Conceito de adaptação fisiológica. Anatomia, histologia, fisiologia, e fisiopatologia do sistema respiratório, cardiovascular e neuromuscular. Resposta cardiovascular ao exercício: resposta aguda ao exercício aeróbio, adaptações ao treino aeróbio, resposta aguda aos exercícios de força, adaptações ao treino da força. Contraindicações, restrições gerais e específicas de âmbito cardiovascular para a prática de exercício. Critérios de elegibilidade. Função metabólica e fisiopatologia relacionada com a função metabólica: diabetes, dislipidemia, síndrome metabólica, obesidade. Atividade física e condições ambientais: calor, frio, humidade, hipoxia, hiperbaria, microgravidade e acamamento. Os sistemas biológicos e a resposta integrada ao exercício. Sistema nervoso, musculosquelético, cardiorrespiratório, renal, endócrino, metabólico e imunitário.

Nutrição, Exercício e Saúde, Pedro Jorge Amaral Melo Teixeira (optativa)

Princípios nutricionais e alimentares de suporte à prática de exercício físico em contextos de promoção da saúde e bem-estar; Nutrição, alimentação e alterações no peso e na composição corporal. Padrões alimentares e características nutricionais associadas à prevenção e tratamento do excesso de peso; A suplementação ergogénica para o aumento da massa muscular. A suplementação não sujeita a receita médica visando o emagrecimento; O estado de hidratação e o respetivo impacto no exercício físico e na saúde; Aspetos nutricionais relevantes em pessoas fisicamente ativas mas com co-morbilidades ou doença crónica (doença coronária, diabetes do tipo II, osteoporose, hipertensão, dislipidemia, cancro); O exercício físico e a regulação do comportamento alimentar. Efeitos do exercício no apetite e saciedade e na autorregulação alimentar; Distúrbios alimentares em praticantes de exercício em contextos de promoção da saúde e bem-estar. Fatores de risco e sinais de alerta.

Modificação Comportamental em Saúde, Pedro Jorge Amaral Melo Teixeira (optativa)

Teorias e modelos de autorregulação e motivação para o exercício físico e outros comportamentos de saúde. Antecedentes e consequências da autorregulação e motivação; Processos autorregulatórios afetivos, cognitivos, motivacionais e sociais. Processos conscientes e automáticos. Avaliação da prontidão e motivação para a mudança comportamental; Fases e processos de mudança comportamental. A integração e a manutenção de novos padrões de comportamento. A auto motivação e autorregulação autónoma; Modelos, métodos e práticas de intervenção para auxiliar na modificação comportamental em exercício, alimentação e saúde. A Entrevista Motivacional e o Coaching em saúde; A Medicina do Estilo de Vida. Situação atual e definições, evidência de efetividade, competências e enquadramento profissional. Papel do especialista em exercício e saúde.

Exercício Envelhecimento e Saúde, Maria de Fátima Marcelina Baptista

Conhecer a demografia do envelhecimento e as tendências evolutivas; conhecer os custos das doenças crónicas e das incapacidades nos adultos idosos. Conhecer os mecanismos explicativos do envelhecimento celular, descrever as alterações dos sistemas sensorial, cognitivo e motor relacionadas com o envelhecimento e as potenciais adaptações crónicas destes sistemas ao exercício. Conceber e implementar uma avaliação inicial de acordo com: a) o nível de funcionamento físico das pessoas idosas: atletas, suficientemente ativas, independentes, fragilizadas e dependentes; b) o tipo de teste: laboratório, terreno, desempenho e questionário; c) os parâmetros a avaliar: aptidão física, equilíbrio e mobilidade. Prescrever exercício físico de acordo com a avaliação inicial, o enquadramento e objetivos do programa; conhecer as barreiras e conceber soluções para aumentar a prática de atividade física das pessoas idosas.

Reabilitação Cardíaca, Maria Helena Santa Clara Pombo Rodrigues

O processo de reabilitação cardíaca: metas, objetivos, candidatos e fases. As componentes fundamentais de um programa de reabilitação cardíaca. Panorama da reabilitação cardíaca em Portugal. Estratificação de risco: Determinação do risco clínico para a prática de exercício físico e perfil de fatores de risco cardiovascular. Interpretação dos resultados da avaliação cardiovascular e de aptidão física de doentes cardíacos. Programas de reabilitação cardíaca (fase internamento e ambulatório), contextos de aplicação do programa clínico vs. comunitário vs. domiciliário. A qualidade de vida de doentes cardíacos. Perfil de atividade física de pessoas com doença cardiovascular. Respostas agudas e adaptações crónicas do exercício físico em pessoas com doença cardíaca. A prescrição do exercício para doentes cardíacos, nomeadamente doença das artérias coronárias, insuficiência cardíaca e pós-transplante cardíaco. Metodologia de treino consoante os objetivos e patologia cardíaca. A reabilitação cardíaca para doentes idosos, do género feminino, crianças e adolescentes com cardiopatia congénita e doentes com elevado risco clínico.

Epidemiologia do Exercício e da Atividade Física, Analiza Mónica Lopes de Almeida Silva (optativa)

Modelos e critérios de avaliação de causalidade. Definição, cálculo, interpretação e aplicação de medidas epidemiológicas de frequência e associação. Descrição e interpretação de resultados resultantes de conceções transversais, coorte e caso-controlo. Avaliar criticamente e saber aplicar as principais metodologias de avaliação da atividade física e comportamentos sedentários na população. Padrões de exercício, atividade física, comportamentos sedentários e respetivas implicações nas recomendações para a população. Interpretação crítica sobre a evidência epidemiológica que relaciona o exercício, a atividade física e o comportamento sedentário com a saúde. Identificação dos principais preditores do exercício, da atividade física e do comportamento sedentário na população. Características das melhores intervenções populacionais e comunitárias para a promoção da atividade física e redução dos comportamentos sedentários.

2.º Semestre

Metodologia da investigação científica, Duarte Fernando da Rosa Belo Patronilho de Araújo

a) Introdução - Investigação na ciência do movimento humano. O que é ciência e investigação científica? Aspetos éticos da investigação científica.
b) Preparar a investigação (o que se sabe sobre o assunto e o que falta saber) - Escolher um tema/problema a investigar, questões e objetivos de investigação e estratégias para responder a essas questões (focar o problema, identificar variáveis, definir operacionalmente variáveis, especificar o problema, hipóteses). Usar teorias (modelos e hipóteses), revisão de literatura.
c) Como se vai estudar - Escolher uma metodologia (tipos de investigação, métodos, planificação, conceção e procedimentos). Natureza da investigação: variáveis e a sua medição, validade, fidelidade e sensibilidade. Representatividade da investigação: Amostragem e circunstâncias (contexto e tarefa a investigar). Recolher dados (tipos de dados, seleção dos dados, tipos de recolha).
d) O que se obtém - Descrever, apresentar e explorar os dados (significância dos dados). Interpretar e discutir os dados (Generalização, explicação, predição).
e) Comunicar o processo de investigação - Escrever um projeto de investigação. Publicar os trabalhos em revistas científicas.

Análise Estatística, Ana Isabel Andrade Dinis Carita

Modelos de regressão. Análise de variância e covariância. Estatística multivariada
Séries temporais. Laboratório de estatística – análise de dados.

Exercício e Doenças Crónicas, José Henrique Fuentes Gomes Pereira

Conceito de doença, saúde e condição física. Patologia cardiovascular. Doença isquémica do miocárdio. Outras patologias cardiovasculares: hipertensão; insuficiência cardíaca; doença valvular; doença arterial periférica. Patologia do aparelho respiratório. Doença pulmonar obstrutiva crónica. Doença pulmonar restritiva crónica. Asma. Patologias metabólicas: dislipidemias; obesidade; diabetes; síndrome metabólico. Patologia músculo-osteo-articular. Osteoporose. Artrite e Artrose. Sarcopenia. Fibromialgia.

Mulher e Exercício, Maria de Fátima Marcelina Baptista

a) Saúde da Mulher ao Longo do Ciclo Biológico - Descrever e compreender o funcionamento do sistema reprodutivo feminino e modificações ao longo do ciclo da vida. Conhecer e compreender os principais objetivos dos programas de exercício/atividade física para as raparigas na adolescência e identificar as principais barreiras para a sua prática. Conhecer e compreender os principais objetivos e estratégias dos programas de exercício para as mulheres durante e após a menopausa.
b) Programas de Exercício para a Gravidez e Pós-parto - Conhecer as principais alterações anátomo-fisiológicas e aplicar as progressões do treino cardiorrespiratório e muscular para as limitações fisiológicas e morfo-funcionais específicas da gravidez e do pós-parto. Conhecer as vantagens e desvantagens dos diferentes tipos de aulas (de grupo ou individual) e espaços físicos (estúdio, água) e compreender a importância do exercício durante a gravidez na prevenção de doenças crónicas.

Composição Corporal Funcional e Regulação Energética, Luís Bettencourt Sardinha

Composição corporal humana e respetiva organização conceptual e metodológica. Modelos de composição corporal e apresentação dos principais constituintes moleculares, celulares, tecidulares e corpo inteiro. Utilização de técnicas de determinação da composição corporal em ambiente laboratorial e em ambiente de terreno, incluindo os princípios teóricos, validade e precisão de medição. Composição corporal funcional e as influências biológicas, incluindo a análise da validade de vários métodos e técnicas na estimação das alterações da composição corporal. Utilização e aplicação de valores de referência e valores normativos dos diferentes compartimentos. Efeitos de diferentes doseamentos do exercício na composição corporal. Modelos dinâmicos de alteração da composição corporal e respetiva aplicação em modelos de regulação do balanço energético. Composição corporal e impacto na regulação energética e na saúde: a magreza excessiva, a obesidade e a sarcopenia. Inter-relações entre a composição corporal e o sistema endócrino.

  • Unidades Curriculares OPTATIVAS:
MestradoUnidade CurricularECTSÁrea CientíficaVagas
Exercício e Saúde Epidemiologia do Exercício e Actividade Física 6 BAF 35
Exercício e Saúde Modificação Comportamental em saúde 3 PCM 35
Exercício e Saúde Nutrição, Exercício e Saúde 3 BAF 35
Ciências da Fisioterapia Avaliação do Sistema Neuromuscular 3 BAF s/limitação
Desenvolvimento da Criança Crescimento e Maturação 6 BAF 5
Desenvolvimento da Criança Desenvolvimento de Padrões Motores 6 PCM 5
Desenvolvimento da Criança Desenvolvimento Percetivo-Motor 3 PCM 5
Treino Alto Rendimento Função Neuromuscular 6 BAF 10
Treino Desportivo Treino e Avaliação das Qualidades Físicas 6 BAF 10
Limitações quantitativas por especialidade
  • Numerus clausus: 35
  • Número de inscrições indispensáveis ao funcionamento do curso: 15
  • Número de vagas especiais: 5
  • Número de vagas destinadas a candidatos licenciados na época especial de conclusão de licenciatura: 4
  • Número de vagas destinadas à frequência de unidades curriculares isoladas: 5 em qualquer unidade curricular, à exceção da de Estágio e Dissertação

Júri de Seleção e Creditação: Professores Doutores Luís Bettencourt Sardinha (presidente), Helena Santa-Clara (vogal) e Pedro Teixeira (vogal).

Habilitações de acesso

São admitidos como candidatos à inscrição no ciclo de estudos conducente ao grau de mestre em Exercício e Saúde:

  1. Os titulares de grau de licenciado ou equivalente legal na área das Ciências do Desporto (Exercício e Saúde, Educação Física e Desporto Escolar, Treino Desportivo), ou outra afim e a titulares do grau de licenciado em Dança e em Reabilitação Psicomotora.
  2. os titulares de grau académico superior estrangeiro conferido na sequência de um 1º ciclo de estudos organizado de acordo com os princípios do Processo de Bolonha por um estado aderente a este Processo na área das Ciências do Desporto ou outra afim;
  3. os titulares de um grau académico superior estrangeiro que seja reconhecido como satisfazendo os objetivos do grau de licenciado pelo Conselho Científico da Faculdade de Motricidade Humana. Na seleção dos candidatos à frequência do mestrado em Exercício e Saúde será efetuada uma avaliação global do seu percurso, em que serão ponderados os seguintes critérios:

    1. Classificação do grau académico de que são titulares pontuado de 1 a 5, de acordo com o algoritmo 0,4*classificação-3 para classificações entre 10 e 20. Em caso de classificação do grau académico noutra escala, será realizada conversão equivalente. Situações diferentes das anteriores serão analisadas pelo júri de seleção. Ponderação de 40%.
    2. Currículo académico científico e técnico, pontuado de 1 a 5, de acordo com os seguintes aspetos: formação graduada ou pós-graduada específica em Exercício e Saúde; outra formação graduada ou pós-graduada na área das Ciências do Desporto, da Dança e da Reabilitação Psicomotora; extensão e relevância de participação em projetos de investigação, seminários, conferências e outros eventos relevantes, extensão e relevância de publicações e trabalhos científicos; prémios e distinções analisados pelo júri de seleção; proficiência em inglês. Ponderação de 40%.
    3. Experiência profissional na área do curso, pontuado de 1 a 5, de acordo com a extensão e relevância das atividades profissionais desempenhadas nas áreas das Ciências do Desporto, Dança ou Reabilitação Psicomotora; extensão e relevância de trabalho em projetos ou contratos de investigação científica. Ponderação de 20%.

Condições específicas de acesso no 2º ano ao Estágio e Dissertação.

Os candidatos provenientes de cursos de 1º ciclo de Ciências do Desporto, no 2º ano do Mestrado têm acesso ao Aprofundamento de Competências Profissionais no âmbito dos Estágio e ao Aprofundamento de Competências de Investigação no âmbito da Dissertação. Os alunos provenientes de outros cursos, no 2º ano do Mestrado têm acesso ao Aprofundamento de Competências de Investigação no âmbito da Dissertação.

 

Propinas

Valor total: 3.200,00€ (2.240,00€ no 1.º ano + 960,00€ no 2.º ano)

Regulamento n.o 492/2017

Horário de funcionamento do curso
  • Funcionamento em períodos da manhã ou tarde
Legislação

Erasmus Incoming